o “bárbaro” pensa?

novembro 5, 2009 às 9:20 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , ,

pensamento selvagem

Segundo Silviano SANTIAGO,  no texto que estamos trabalhando nesta finalização de nosso curso, “um dos mais belos e instrutivos livros que responde à pergunta ‘Por que e para que viaja o europeu?’ é Tristes trópicos, de Lévi-Strauss. O antropólogo seria a consciência infeliz do viajante e do colonizador europeus. Duplamente infeliz. Primeiro, porque é ele que descobre e presta contas ao Ocidente da destruição do Outro operada em nome da conquista etnocêntrica a que ele dá continuidade. Segundo, porque é ele que pode dar voz a um saber ‘já morto’ (o dos povos destruídos), e este saber – em nítida oposição ao seu – é de pouca utilidade para o país que o gerou e que se quer moderno” (p.234). Ao estabelecer relações entre etnocentrismo, aculturação e alienação, Santiago pretende chamar a atenção para um aspecto fundamental das questões derivadas da diferença cultural: os preconceitos sobre a “primitividade” ou o “barbarismo” de outros povos desempenham funções estratégicas na legitimação ideológica dos “privilégio inatos” ou da “superioridade civilizacional” das elites dominantes. Repetindo e re-maquiando a velhíssima lógica do “dividir para reinar” (ou, numa perspectiva subjetivista, aquela lógica a que Caetano Veloso alude nos versos de Sampa, “Narciso acha feio / o que não é espelho”), a veiculação institucional de discursos discriminatórios e racistas têm como um dos seus principais objetivos impedir a reflexão comparativa e questionadora que pode acabar revelando a gritante fragilidade intelectual e moral de elites parasitárias, estimulando assim a construção popular de projetos civilizacionais diferentes ou de formas inovadoras de organização e de justiça social. Nas sociedades indígenas que habitavam o Brasil antes da chegada dos europeus, ou nos quilombos afrobrasileiros, como o de Palmares, inexistiam as formas de desigualdade sócio-econômica que eram, e continuam a ser, tidas como “naturais” para os parâmetros do capitalismo europeu que Portugal transplantou para o novo mundo tropical.

Para aprofundar a reflexão sobre essas questões, e eventualmente inspirar um pequeno texto redacional, a título de exercício, leia o artigo abaixo, que lança um ponto de vista crítico para a maneira como as matrizes culturais não-europeias são “valorizadas” pela mentalidade eurocêntrica largamente disseminada na mídia brasileira – e será que também nas cabeças de todos nós?  Se quiser saber um pouco mais sobre o trabalho de Lévi-Strauss com os índios, visite o blogue TRISTES TRÓPICOS clicando ao lado ou nas imagens abaixo. 

tristes tropicos

Brasil celebra antropólogo, mas esquece lição política

"Orgulho" por laços entre o intelectual e o país não incluiu seus "mestres" locais, os índios

Rafael Cariello escreve para a "Folha de SP", 04 de Novembro de 2009:

Claude Lévi-Strauss é, entre os grandes intelectuais do século 20, talvez um dos nomes mais conhecidos no Brasil, mesmo por pessoas que nunca chegaram a ler um parágrafo que tenha sido escrito pelo "pai do estruturalismo".

Além de nome familiar, quase todo brasileiro que tenha terminado algum curso universitário sabe que o antropólogo participou do grupo de professores franceses que ajudou a criar, nos anos 30, a Universidade de São Paulo, símbolo de certa modernidade brasileira e ainda hoje a melhor instituição de ensino e pesquisa no país.

Não são essas as únicas razões que fizeram esse intelectual francês, nascido na Bélgica, se tornar, curiosamente, uma espécie de "orgulho nacional" brasileiro.

Como se sabe, o contato de Lévi-Strauss com diferentes populações indígenas do país, em expedições ao então "remoto" oeste brasileiro na segunda metade da década de 1930, forneceram material rico, "bom para pensar", que contribuiria decisivamente para sua obra futura.

E são também narrativas míticas recolhidas por outros autores em grupos "brasileiros", entre eles os bororos, que já haviam sido visitados pelo antropólogo em Mato Grosso, que dão o pontapé inicial e perpassam toda a sua obra maior, as "Mitológicas", quatro volumes sobre a lógica do pensamento ameríndio, em particular, e sobre as próprias condições do pensar, de modo geral.

Cegueira

Como se vê, Lévi-Strauss aprendeu muito com o Brasil, e era razoável que isso terminasse sendo utilizado de forma provinciana, dirão alguns, ou como elemento de uma saudável autoestima, dirão outros. O interessante é que essa lógica narcisista, essa reiterada associação entre o antropólogo e o país depende de um constante esquecimento, uma cegueira mesmo, sobre o que ele de fato escreveu sobre nós, e sobre o que, exatamente, somos esse "nós" (os brasileiros).

Esse "Brasil" com que tanto aprendeu Lévi-Strauss é constituído justamente pelos brasileiros que, ao longo de todo o século 20, o país teimou em esconjurar, em negar – o Brasil das dezenas de grupos indígenas que não desapareceram e que, pesquisas demográficas recentes demostram, voltou a crescer e está aí para ficar.

Enquanto Lévi-Strauss utilizava as preciosas lições que aprendera com grupos indígenas do cerrado e da Amazônia brasileira (sobre outros modos de relacionar natureza e cultura, diferentes concepções metafísicas, lógicas de organização social) para criar um dos pensamentos mais influentes da segunda metade do século 20, a maioria dos brasileiros olhava para os "mestres" do antropólogo como um símbolo de atraso a ser superado ou esquecido, um motivo de vergonha fadado felizmente (eles acreditavam) a desaparecer.

Ao mesmo tempo em que valorizava esse Brasil de que os próprios brasileiros se envergonhavam – Lévi-Strauss pode ser descrito como "carinhoso" ao falar de povos como os nambiquara e os bororo -, o antropólogo foi duro, em alguns momentos implacável, ao apresentar suas impressões sobre a sociedade brasileira urbana, envolta em sua permanente disputa por status.

Para os estudantes da USP recém-montada, escreve Lévi-Strauss em "Tristes Trópicos", "ideias e doutrinas não ofereciam […] um interesse intrínseco, consideravam-nas como instrumentos de prestígio cujas primícias deviam conseguir". "Partilhar uma teoria conhecida com outros equivalia a usar um vestido já visto."

Se uma teoria europeia "antiga" já não valia nada nesse gosto vulgar pelo "moderno", utilizado como signo de prestígio, que dizer dos povos indígenas e suas ideias?

Se, em regra, as coisas não são muito diferentes hoje, é justo notar que foi exatamente no ramo da antropologia, fortemente influenciada por Lévi-Strauss mesmo quando esse autor estava "em baixa", nas últimas décadas, que a academia brasileira conseguiu formar alguns dos seus principais pensadores – nomes como Manuela Carneiro da Cunha e Eduardo Viveiros de Castro -, reconhecidos hoje entre os principais cientistas sociais em atividade no mundo.

FONTE: Jornal da Ciência 3882

saudades strauss

Anúncios

Deixe um comentário »

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: